artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Resenha

O filme "A Paixão Segundo G.H." (2024)
Emilly Garcia

Eu tinha 17 anos quando li "A Paixão Segundo G.H." pela primeira vez. Na época, lembro de achar o livro uma grande viagem, a ponto de questionar a relevância dele para a literatura brasileira no auge da minha rebeldia adolescente.

Clarice Lispector era leitura obrigatória no terceiro ano do ensino médio, e ainda bem que a professora de literatura nos indicou outros títulos da autora, como "Laços de Família", "A hora da Estrela" e "Uma aprendizagem ou O livro dos prazeres". Assim, pude entender e conhecer um pouco mais sobre a grandiosidade da obra de Clarice. E foi isso que me levou ao cinema para assistir à estreia do filme homônimo "A Paixão Segundo G.H." (2024), dirigido por Luiz Fernando Carvalho. Fui por Clarice, não por G.H.

A atuação de Maria Fernanda Cândido na pele da personagem principal, o roteiro adaptado e os elementos visuais são os pontos fortes do filme. O figurino e o corte de cabelo de Maria Fernanda muito lembram a própria Clarice Lispector. A fotografia é simplesmente impecável, pois insere o espectador numa atmosfera de sonho e devaneio ao apresentar tons pastel e cores que transitam entre o vermelho, o branco e o verde. Ao mesmo tempo, nas cenas em que a personagem secundária aparece, a barata, a direção não deixou escapar nenhum detalhe asqueroso do inseto. Àqueles mais sensíveis, as cenas podem provocar ânsia de vômito.

Os roteiristas, Luiz Fernando Carvalho e Melina Dalboni, adaptaram com maestria as principais passagens do livro às cenas e aos diálogos do filme. A narrativa lenta e intimista conduzida em primeira pessoa foi transformada em monólogos que Maria Fernanda Cândido trava com as lentes da câmera, aproximando o público dos conflitos internos vividos pela personagem.

Li "A Paixão Segundo G.H." novamente quando adulta. Dessa vez, com um olhar mais maduro sobre o texto e sobre o mundo. O enredo envelheceu mal, e a adaptação para o cinema acabou refletindo isso. Uma mulher branca, de classe média alta que atravessa conflitos de seu próprio universo, a maneira como ela trata e descreve a trabalhadora doméstica, Janair, a romantização de trancafiar-se num quarto de empregada para expurgar seus demônios quando se tem um apartamento espaçoso e de alto padrão ao seu dispor.

Diria que "A Paixão Segundo G.H." é bastante fiel à obra original. A ironia é que isso deixou o filme tão chato quanto o livro. O mesmo não aconteceu com as adaptações igualmente fiéis de "A hora da Estrela" e "Uma aprendizagem ou O livro dos prazeres". Se eu gostei de "A Paixão Segundo G.H."? Fui por Clarice, não por G.H.


02/07/2024

Compartilhe

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "335106" no campo ao lado.
 
  

 

  Emilly Garcia

Emilly Garcia nasceu em Marabá-PA, é bacharel em Jornalismo pela Universidade da Amazônia-PA (2010), pós-graduanda em Filosofia pela Universidade Estácio de Sá e pós-graduada em Televisão e Convergência Digital pela UNISINOS-RS (2012). Participou de oficinas, saraus e de três coletâneas. Estudou Literatura e Teorias do Imaginário na PUC-RS (2022) e foi aluna do Curso Livre de Formação de Escritores (2020), da Editora Metamorfose.

garcia.emilly@gmail.com


Colunas de Emilly Garcia:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com






Confira nosso canal no


Vídeos em destaque


Cursos de Escrita

Cursos de Escrita

Curso Online de
Formação de Escritores

Curso inédito e exclusivo para todo o Brasil, com aulas online semanais AO VIVO

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas de escrita online

Os cursos online da Metamorfose Cursos aliam a flexibilidade de um curso online, que você faz no seu tempo, onde e quando puder, com a presença ativa do professor.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na