Narrador e foco narrativo

Marcelo Spalding

Muitas vezes confundimos os conceitos de narrador e foco narrativo (ou ponto de vista).

O narrador é quem conta a história, podendo ser, grosso modo, em primeira pessoa (narrador definido) ou em terceira (indefinido). Já o foco narrativo é em quem a narração está centrada.

Um texto costuma ter um único narrador, com mudança de capítulo quando há troca. Já o foco narrativo pode variar de uma cena para outra, e é possivel inclusive que haja mais de um foco narrativo na mesma cena (imagine uma briga de casal, por exemplo).

Quando o narrador do texto é em primeira pessoa protagonista, narrador e ponto de vista se confundem, pois na maior parte da história o ponto de vista será o do narrador.

Já quando o narrador é coadjuvante, como em Sherlock Holmes, o ponto de vista varia e o autor precisa ter tanto cuidado quanto nos casos de narrador em terceira pessoa.

No caso do narrador em terceira pessoa é quando a diferença entre os dois conceitos fica mais clara. Imagine que em um filme o narrador seja a câmera, ela (ou quem está filmando) é que conta a história. Mas quem a camera acompanha? Esse é o ponto de vista.

Confira um exemplo curioso, o curta-metragem Feast, em que a história de um casal é contada a partir do ponto de vista de um cachorro.

Note que o narrador não é o cachorro. O narrador, pensando em conceitos de escrita, é em terceira pessoa. Mas toda a narração é do ponto de vista do cachorro, então tudo o que o espectador irá ver é o que o cachorro está vendo (não sabemos, por exemplo, o motivo da briga do casal ou como se conheceram).

Vale lembrar aqui o conceito de onisciência do narrador. Quando o narrador sabe o que determinado personagem sente ou pensa ou lembra, é porque o foco narrativo está nele. Daí a importância de preferirmos narradores oniscientes seletivos a oniscientes.

Por fim, cuide para não usar focos narrativos demais em uma cena, sob o risco de deixá-la confusa. E procure mudar de parágrafo a cada vez que mudar o foco narrativo, a não ser que haja uma alternância proposital e funcional dentro da cena (como no exemplo da briga de casal).

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "330302" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela