Cidades para pessoas

Marta Leiria

Dia desses, caminhava da minha casa, no bairro Três Figueiras, dos poucos desprovidos de arranha-céus, até o belo Parque Germânia, quando me deparei com um luxuosíssimo edifício com design inovador contendo uma portentosa árvore na sacada. Fiquei intrigada: será que o proprietário levou a natureza já bem calejada para as alturas? Por que não morar rente ao chão, onde ela naturalmente se encontra? Será que a pobre árvore vai vingar naquele local inóspito? Ou é apenas uma réplica como a que tenho na sala de casa? E me lembrei do arquiteto e urbanista dinamarquês Jan Gehl, que esteve aqui em Porto Alegre palestrando no Fronteiras do Pensamento sobre o tema de um de seus livros: cidades para pessoas.

Boquiabertos, conhecemos as soluções urbanísticas deste influente profissional em sua cidade natal, Copenhague, e em muitas outras mundo afora. Participa de movimento fundado em 1961, voltado para a dimensão humanística de planejamento urbano. Questionou: de que adianta a cidade ser bonita vista lá das alturas, como Brasília, se, no chão, a prioridade são ruas e viadutos abarrotados de automóveis? Se não há lugares onde as pessoas de todas as idades possam, com segurança, caminhar, se encontrar, transitar de bicicleta? Espaços agradáveis destinados a tomar um café em uma pausa do dia?

Revelou que, ao casar, sua mulher, psicóloga, lhe perguntava: "Por que arquitetos não estão interessados em pessoas?". Jan Gehl constata que muitas faculdades não mudaram. Estão tão ocupadas com a forma que esquecem que arquitetura é a interação entre forma e vida.

Confesso: naquela noite memorável saí do Salão de Atos da UFRGS com uma inveja brutal de quem mora em Copenhague, Melbourne, Moscou. Acima de tudo, a mensagem do arquiteto dinamarquês é de que qualquer cidade pode virar uma Copenhague se realmente quiser. Tenho esperança no nosso Cais Mauá. Basta investir nas coisas certas e pensar a longo prazo. Neste 15 de dezembro, Dia do Arquiteto, suplico: arquitetos, urbanistas, gestores públicos, uni-vos para que, também por aqui, as cidades sejam destinadas às pessoas!

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "475501" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela